Vida comigo mesma

Muitas pessoas fazem de tudo para ter um namorado, nunca podem ficar sozinhas se não é o fim do mundo pra elas. Tem gente que troca de namorado como troca de roupa. Tem gente que vive em um relacionamento boomerang, quando volta bate na no seu coração e te machuca, mas quando vai embora você sente falta.

Meus relacionamentos nunca foram assim. Meu primeiro namoro durou somente dois ou três meses (não me lembro exatamente  haha).  2011 foi uma fase boa da minha vida eu tinha 15 anos e tinha acabado de me mudar para um internato (IAP – Instituto Adventista Paranaense). Eu gostava bastante dele e ele de mim (pelo menos até onde eu sei.. Vish..), mas por alguns motivos terminamos. Minha vida seguia em frente, voltei pra casa dos meus pais depois de ter ficado 6 meses no internato e depois de um ano em casa voltei para o IAP. Na minha cabeça ficavam cutucando, minhas amigas e familia, “Jhenny você gosta de alguém? Por que você não tenta achar alguém? A Jhenny vai ser aquela que quando  começar a namorar alguém vai casar com ele”. Porém naquela época eu não tinha coragem de falar nada e só ouvia. Até fiquei de rolo com um piá (menino caso você não seja Curitibano(a))  por um tempinho, mas eu nunca gostei dele de verdade.

Depois disso, comecei a pensar por mim. “Por que tanta suposições sobre minha vida? Quem é que vive ela? Você ou eu?” E hoje descobri que não estou preparada ainda para um relacionamento. Eu até tinha um namorado até uns dias atrás e foi assim que descobri que eu não quero ter que ficar tendo obrigação com alguém. Pelo menos não agora. Eu sou jovem estou na faculdade tenho minhas próprias coisas pra fazer, e pra falar a verdade se preocupar com namorado agora eu não quero! Não quero ter que ser obrigada a ligar pra ele todos os dias, ter que tentar adivinhar o que ele esta dizendo (o sotaque dele é horrível!). E meu, eu não gostava dele então o melhor que eu fiz for ter terminado. Machuquei os sentimentos dele? sim. Eu queria que ele sofresse? Obvio que não. Mas melhor agora do que mais tarde…

Enfim, descobri que viver comigo mesma, pelo menos nessa fase da minha vida, me trás mais liberdade e felicidade. Não preciso ficar presa em o que vou fazer no final de semana. eu vou lá e fico o dia inteiro na cama de pijama assistindo Netflix ou lendo um livro. Nesse momento prefiro viver Me, Myself, and I. 😀